Les Godelureaux (Claude Chabrol, 1961)

lesgodelureaux1
Les Godelureaux, Claude Chabrol, 1961 ****¹/²

O filme mais livre que vi de Chabrol, com uma pureza na forma, bem Nouvelle Vague e mais discretamente ousado que os títulos rodados por seus pares e colegas franceses nesse primeiro período de movimento. Um sentido trágico da existência mesclado a uma leveza inerente a vida. A nouvelle vague bebeu muito dos filmes B americanos (notadamente os noirs), menos como uma série de procedimentos estéticos e mais numa questão de temperamento e estilo, incorporando as falsas escassez de recursos, trocando a atmosfera noturna pela transgressão à luz do dia, e lidando com figuras comuns ao invés de personagens que parecem existir unicamente no universo fantasioso (e fascinante) do noir. Les Godelureaux é também a melhor resposta feita quarenta anos antes a The Dreamers, é o que o filme juvenil do Bertolucci seria se fosse bom, dentre outras coisas por mostrar o que pode acontecer quando dois homens dividem a atenção de uma mesma jovem. Não a toa Godard era apaixonado por Les Godelureaux e Rohmer chegou a invocar Cassavetes para elogiá-lo. Brilhante utilização da música.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s